Mulheres na Cinemateca

De 5 a 30 de março, a Cinemateca Brasileira, em São Paulo, vai exibir a mostra “Perfis Femininos”, com filmes que focam a figura feminina na filmografia mundial. A Cinemateca garante que a seleção de filmes foge do óbvio.

Entre os filmes, muitos desconhecidos do grande público. Um deles é Desde que Otar Partiu (Depui qu’Otar est parti), centrado em uma família cujas mulheres vivem a ausência da figura masculina. Otar, o filho mais velho, partiu da Geórgia para a França em busca de condições melhores de vida. O máximo que consegue é trabalhar como pedreiro, colocando o diploma de medicina no bolso.

Sua mãe, que já passa dos oitenta, admira a figura de Otar, o que gera ciúmes na irmã dele, que ainda tem de lidar com uma relação instável com a própria filha. O problema é que Otar morre e, como a matriarca está muito velha, mãe e filha resolvem esconder o fato.

Os movimentos para manter a falsa lembram, em certa medida, o alemão “Adeus, Lênin”, no qual o filho dedicado tenta reconstuir a recém destruída União Soviética para a mãe enferma que estava em coma quando o muro de Berlim e a URSS acabaram.

Expandindo as possibilidades, o tema da migrante em apuros na nova terra está em Você é Tão Bonito (Je Vous Trouve Très Beau). Para sustentar a família carente, a romena Elena (Medeea Marinescu) tenta arranjar um noivo endinheirado na França. Acaba parando na fazenda de um rude camponês, pelo qual se apaixona. Aqui, diferente de Otar, o clima é de comédia.

Inédito da oscarizada Cotillard

Outro filme importante da mostra da Cinemateca é Você e Eu (Tu et Moi), com a Marion Cotillard, que pelo papel em Piaf (La Mome) ganhou o Oscar de melhor atriz. Assistir Você e Eu é a oportunidade rever a birrenta Anna (Julie Depardieu) de A Culpa É do Fidel (La Faute À Fidel).

Por último, E Deus Criou a Mulher (Et Dieu Crea La Famme), de 1956, com direção de Roger Vadim. Uma Brigitte Bardot estonteante, linda, maravilhosa, beirando a perfeição e esbanjando sensualidade.

Em tempo: foi com esse filme que Brigitte, dona dos lábios mais famosos do mundo, ganhou repercussão. A Legião da Decência, ligada à Igreja Católica, condenou o filme devido ao conteúdo sexual.

Quer ver a programação completa? Corra para este link.

Anúncios

2 comentários

  1. Zorilla está genial em “Elsa e Fred”, uma mequetrefe de primeira.”Otar” foi a dica de uma amiga, a ju sayão, que viu o filme em DVD e chegou me contando (isso há quase dois anos) sobre o filme. aluguei em seguida e, no fim do ano passado, comprei.Você tinha comentado se o “Você É Tão Bonito” estaria na mostra da Cinemateca. Eu acho que merecia estar, acrescentaria e muito nos filmes escolhidos. A romena é uma mulher e tanto: sai do país de origem para se submeter ao que for preciso na França para sobreviver. (claro que o filme tem uma coisa meio água-com-açúcar, porque acaba bem e é uma comédia)

  2. “Desde que Otar Partiu” é o meu filme cult do coração… Tem o seu lugar reservado na estante de casa e de vez em quando pego para rever. Aliás, até hoje me arrepio com aquele final. Esther Gorintin arrasa no papel da mãe-avó e, ao lado de China Zorrilla (de Elsa e Fred), é a minha atriz preferida nessa faixa etária.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s