Stardust: documentário e ficção

O tempo aperta, mas não posso deixar de lembrar a exibição nesta segunda-feira (29/8) do curta-metragem Poeira de Estrelas (Stardust) no Festival de Curtas de SP (veja aqui os horários).

Um dos curtas mais marcantes que vi em tempos recentes. Nicolas Provost, o diretor, artista belga que não se dedica apenas ao cinema, aproxima-se de uma investigação dos diálogos entre as convenções do documentário e da ficção. Porém, utilizando recursos diferentes de Coutinho em Jogo de Cena, Rodrigo Siqueira em Terra Deu, Terra Come e outras investidas no assunto.

Stardust é uma ficção feita de imagens documentais. Câmeras escondidas registram a rotina de jogadores e funcionários de um cassino de Las Vegas. Desse registro, Provost usa as convenções do cinema e cria uma trama de suspense de deixar todos os pelos do corpo em pé!

O tempo não permite um comentário mais aprofundado sobre o filme – mesmo porque já o fiz num texto para o Cineclick (leia aqui). Mas, quem puder dar uma passada na Cinemateca às 19h, não deixe de assistir a Stardust.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s