Os Residentes*

os residentes2

Não à toa Os Residentes rachou a crítica. Um filme cujos personagens/artistas/guerrilheiros propõem um holocausto da lucidez, colocando em primeiro plano a penetração da arte e do artista no mundo contemporâneo passaria longe do consenso.

Vencedor da Mostra de Tiradentes em 2011, Os Residentes se articula na dualidade afirmação/negação, na construção do discurso contrabalanceada com uma desconfiança em torno dele. Fechados numa casa, os personagens passam a receber visitas. Surgem conflitos e estratégias lúdicas de intervenção.

Não há propriamente um enredo, mas sim a organização de segmentos conceituais que revelam um relacionamento com a História. Por ser um filme em crise – afirmação e destituição –, preenchido com interpretações antinaturalistas, Os Residentes demanda um deslocamento do espectador. Pois, no limite, é uma obra primordialmente estética – vide a referência à opt art e pop art.

Feito esse deslocamento, a recompensa é perceber que, a despeito de seu aparente anacronismo, Os Residentes é um filme fincado no presente, em como a nossa percepção desse momento é forjada pela História.

Serviço
Os Residentes (2012), de Tiago Tata Machado
Cotação: 4 estrelas
Lançamento em DVD pela Lume Filmes [saiba mais]

*originalmente publicado na revista Preview, seção Home, em abril de 2013.

Anúncios

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s