O blackface em Nina

Sequer pensei que um dia fosse usar a expressão “blackface” para uma atriz negra. Mas aconteceu: Zoe Saldana em Nina. Que triste. Muito triste. Para todos os lados. A começar pela recusa em encarar que tal gesto representa uma violência aguda e que aponta para algo maior, grave e sub-reptício.

O cerne da discussão não está se Zoe é ou não boa atriz, se sua atuação é boa ou não. Ou se ela é negra ou não. O ponto nevrálgico: escolher uma atriz com a fenotipia de Zoe para interpretar alguém com a fenotipia de Nina é dizer para as mulheres negras de pele escura que “esqueçam, queridas, vocês não são bonitas o suficiente, nem qualificadas o suficiente, para ocupar um lugar no qual as pessoas admiram seu trabalho e felicitam sua existência no mundo – você só serve para a escuridão”. É legitimar uma organização colorista de mundo, em que apenas negros mestiços de traços “leves” e “delicados” é que podem ocupar e circular por espaços nobres como o cinema.

O mundo da imagem e da representação já é organizado assim. Puxemos pela memória rapidamente quantas mulheres negras de pele escura estão presentes nas representações imagéticas do nosso cotidiano? No caso brasileiro, até mesmo em propagandas “preto-amigáveis” (geralmente as de instituições públicas ou de empreendedorismo), a fenotipia privilegiada não é a daquelas que tem um “negro nose with Jackson Five nostrils”.

Pensei no termo “autoestima” como o principal atingido pelo colorismo que “elogia” por meio do “mas você é moreninha!”. É a autoestima também, mas mais: é a sanidade, é a saúde de não entrar em depressão por olhar ao redor e não ver a possibilidade de existir sem a exotização ou invisibilização. É um pouco do conceito da neurose na negritude que Frantz Fanon trabalha em Peles Negras, Máscaras Brancas: como não desenvolvê-la se os inputs do mundo vem na direção de quanto menos negro, mais pode ser aceito?

É preciso dizer: a escolha por Zoe é um gesto de violência.

“Ah, mas foi uma escolha puramente econômica, sabe como é, precisamos de uma front runner que possa fazer as pessoas comprar ingresso etc”. Pois bem, como se o capitalismo fosse uma estrutura inocente, que só toma decisões técnicas, eficientes. Lembremos, apenas, que o “tecnicismo” das escolhas capitalistas foi um dos esteios do processo que escravizou negros tanto aqui quanto nos Estados Unidos, país de Nina.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s